Monthly Archives: Janeiro 2013

Caso ou compro uma bicicleta?

Padrão

Mais uma vez estou em época de provas (jura?! novidade!). Mas dessa vez são as provas finais, as últimas das últimas do curso todo. Uhu!!!

Também é finalmente hora de começar a tomar decisões importantes e isso tem preenchido todo o meu tempo ( e a mente) e consumido todas as minhas energias quando não estou estudando. São horas de conversas, pesquisas e cálculos e uma busca incansável pela escolha certa, afinal, como se diz tão poeticamente, “eu não ando mais sozinha” e as decisões agora são feitas a dois, por dois e para dois.

Volto pro Brasil, fico na Alemanha ou vou pra Holanda? Ou sei lá, vou pra qualquer outro lugar “x”?

Será que eu tenho energia, dinheiro (muito dinheiro) e nervos pra enfrentar o processo de imigração pra Holanda? Porque olha, esse sim é um teste pra cardíacos e custa os dois rins juntos.

E o tal teste de holandês antes de aplicar pro visto? Será que eu passaria? E daí, sem falar holandês decentemente, viverei de que?

E aí, será que caso ou compro uma bicicleta?hehe

Como foi que eu cheguei tão perto dos 30 tão rapidamente e nem me dei conta?

Acho que tô precisando de aulas de yoga.

Esse tal de destino…

Padrão

Haia / 2011 – nossa primeira foto juntos

A gente se “conheceu” em outubro de 2002, pouco antes de eu vir pra Alemanha pela primeira vez pra fazer um intercâmbio. Eu estudava de manhã e dava aula de inglês à tarde e à noite. A Cris, na época minha colega de trabalho e hoje amiga, acompanhava meus preparativos pra viagem de perto e um dia sugeriu que eu entrasse em contato com uns amigos do Martin – marido dela e holandês – para que eu já tivesse algum contato na Europa e a quem recorrer caso eu precisasse de ajuda por aqui (pelo menos é essa a versão da história de que me lembro). Ela me passou os contatos e eu escrevi pros três: Rob e Marc (irmãos) e Werner.

Conversávamos no msn com frequência e trocávamos e-mails de vez em quando. O contato com os dois irmãos foi diminuindo aos poucos até acabar. Werner e eu continuamos nos cruzando esporadicamente no msn, mas nunca nos encontrarmos pessoalmente durante todo o ano do meu intercâmbio, mesmo estando em países vizinhos.

Ao longo dos anos continuamos a nos escrever, sem nunca nos encontrarmos pessoalmente. Havia meses de silêncio e outros de contato diário, dependendo da fase pela qual cada um de nós estivesse passando. Conversávamos sobre tudo: estudos, trabalho, família, viagens…

Entre o final de 2007 e o começo de 2008 ficamos muito próximos. Conversávamos no msn e trocávamos e-mails  quase todo dia. Ele foi pra Tailândia de férias e me mandou um postal lindo dizendo que esperava que um dia pudéssemos voltar lá juntos. Me lembro até hoje. Me lembro também de ter escrito sobre ele no meu “diário” várias vezes naquele período, mas como todas as tentativas de nos conhecermos pessoalmente sempre acabavam dando errado, essa “paixonite” virtual também passou e continuamos só amigos.

Em 2010 ele decidiu que ia pro Brasil em dezembro pra me conhecer, mas o pai dele foi diagnosticado com câncer e ele desistiu da viagem. Ele não queria ficar longe do pai. Acompanhei, de longe, toda a fase de sofrimento dele e da família até o pai dele falecer, no começo de 2011. Foi super triste.

Ilha de Syros, Grécia - 2012

Ilha de Syros, Grécia – 2012

Em 2011, quando soube que vinha pra Alemanha, planejei fazer uma viagem antes de começar o mestrado. Queria ir pra Paris e Londres. Escrevi pra ele, convidando-o. Mas ele não respondeu e eu fiz a viagem sozinha.

Em dezembro do mesmo ano fui visitar a Cris e o Martin, que vivem hoje perto de Rotterdam. Escrevi pro Werner avisando, só por avisar. Ele respondeu que queria me ver, que já era hora de nos conhecermos pessoalmente. Então  combinamos que ele passaria pra me pegar na casa da Cris e do Martin e passaríamos o dia juntos.

Na quinta-feira, 29 de dezembro de 2011, 9 anos após nos “conhecermos” virtualmente, finalmente nos conhecemos pessoalmente. Vencida a primeira meia hora mais “awkward” da minha vida, tive um dia lindo. Felicidade e uma paz imensa, era o que eu sentia. Era como se finalmente tudo estivesse em seu lugar.

Nós dois sorríamos sem motivo e conversávamos como velhos conhecidos. Na verdade, realmente o éramos.

Depois disso, não nos separamos mais. Hoje vivemos na ponte Bonn, Alemanha (onde eu moro e estudo) – Brielle, Holanda (onde ele mora e trabalha).

Esse tal de destino… difícil não acreditar, não é?

P.S.: Werner e Marc continuam amigos, então agora ele e a namorada, Manuela, também fazem parte do meu círculo de amigos. Voltas que a vida dá…

Happy everything!

Padrão

Voltamos do Brasil.

Foram 3 semanas cheias de felicidade, com direito a Natal em família, encontros com amigos,chamego do amor, mordidas da cachorrinha nova, “fofurices” do priminho novo, churrascos, feijoada, pão de queijo, bolinho de chuva, torta de frango, viagem à Foz do Iguaçu, reveillon na praia, paparicações (ser uma turista na própria casa tem suas vantagens!hihi), cabeleireiro, depilação, manicure, sessões de filme, longas conversas na cozinha, risadas, abraços bem apertados, piscina e muito sol! Voltei recarregada de amor, carinho, energias positivas e vitamina D pra aguentar o resto do inverno.

Não consegui ver todo mundo que queria, nem resolver metade dos pepinos que precisava (viva à burocracia brasileira), mas voltei com o coração cheio de felicidade e gratidão por ter sido abençoada com uma família tão maravilhosa e amigos tão queridos.

Comecei o ano com o pé direito, ao lado das pessoas que mais amo, pulando as 7 ondinhas do mar e agradecendo o universo por todas as bençãos.

Que 2013 seja um ano de muita luz e energia positiva na vida de todos nós e que a gente nunca perca a capacidade de enxergar a felicidade nas pequenas coisas. Happy everything!

Natal em família

Da esquerda pra direita: eu, meu namorado Werner, meu tio Marco, minha tia Vanda, meu melhor amigo Caju, minha avó Luzia, minha mãe, meu pai, minha prima Vanessa, meu priminho Gabriel, minha tia Juliana. Na segunda fileira, da esquerda pra direita, minha prima Alessandra, meu tio Alfredo, meu irmão, minha irmã com a cachorrinha Cristal e meu “primo” Márcio (marido da Vanessa).